sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

LOPES, Antonia Osima. Relação de Interdependência Entre Ensino e Aprendizagem. In: VEIGA, Ilma, P. Alencastro (org). Didática: o ensino e suas relações. Campinas: Papirus, 1996.

Antonia Osima Lopes especialista em Currículo Acadêmico. Mestre em
Educação pela UNICAMP. Assessora Pedagógica da FACID. Ex-professora de
Didática da Universidade Federal do Piauí.

No presente texto de Antonia Osima Lopes trata sobre a relação de interdependência entre ensino e aprendizagem, que embora se considere convencionalmente distintas da didática, neste texto vai discutir essa relação de forma indissociável. Abordando que pensar sobre a dinâmica ensino aprendizagem é tarefa que deve fazer parte do cotidiano dos professores, como forma de questionamentos para buscar solucionar os problemas da realidade do fracasso escolar gerados pelos altos índices de repetência.
De acordo com a autora o fracasso escolar há algum tempo era visto como um problema individual de cada aluno, mas passou a ser visto como produto de múltiplos fatores, tanto intra como extra-escolares. Dessa forma existe um estado permanente de aprendizagem que é o do nosso cotidiano, onde aprendemos uma infinidade de coisas em interação com os outros e o ambiente, diferente dessa forma há outro tipo de conhecimento o sistematizado, que acontece no seio da instituição escolar.
A escola é uma instituição social com a função específica de proporcionar aos indivíduos que a freqüentam o acesso ao conhecimento sistematizado, acumulado historicamente. Esse conhecimento sistematizado segundo a autora numa sociedade capitalista, como a nossa, é reservado ao conhecimento das classes sociais economicamente favorecidas, as quais, de forma ideológica o transformam em ideias e práticas convenientes aos seus interesses, buscando impô-las como verdades acabadas para as demais classes sociais.
Para Lopes a ação transformadora é aquela tratada como uma situação dialógica, como espaço de discussões, descobertas e transformações. Dentre as posições pedagógicas tomadas como base no referencial teórico-dialético a perspectiva sociointeracionista é um caminho que tem sido adotado como campo de reflexão e desenvolvimento para solucionar a crise da escolarização.
No texto de Lopes fica claro que a perspectiva sociointeracionista é vista como solução para levar os educandos a ter um conhecimento sistematizado, e tem que haver por parte dos docentes empenho para desenvolver novas práticas pedagógicas, utilizando os conhecimentos já existentes dos alunos com problemas que gerem conflitos e questionamentos, pois só assim vai se alcançar a tão sonhada ação transformadora na educação.

Assim ao refletir sobre a educação e o processo de ensino e aprendizagem podemos destacar outro assunto com grande relevância o “ensino e pesquisa”, o qual tem sido alvo de muitas críticas no que se refere à qualidade de ensino.
Ao pensar sobre a educação ensino aprendizagem e o processo de pesquisa percebe-se que essas críticas podem ser analisadas sobre o enfoque da relevância que essas pesquisas trazem para a educação, pode-se pontuar que:

“O fracasso e a inadequação das práticas escolares que tornam como base o conhecimento como produto estão evidentes e é esta situação que tem impulsionado os educadores a se debruçar sobre os paradigmas, na tentativa de caracterizar as diferenças que subjazem distintas propostas pedagógicas. Por outro lado, os esforços democratizantes de parcelas da sociedades procuram encontrar alternativas para favorecer maior equalização social, entendendo que a educação pode ser um componente fundamental da liberdade” (CUNHA, 1996, p. 124).


Logo podemos fazer uma relação entre essas temáticas discutidas por muitos teóricos com o intuito de melhorar a qualidade de ensino, dessa forma tanto ensino e aprendizagem como ensino e pesquisa são considerados por muitos uma relação distinta, mas o que podemos perceber nessas relações é que uma depende da outra.
A educação vem sendo colocada como panacéia, ou seja, o remédio para todos os males, onde é preciso observar que o fator chave está relacionado às ideologias das classes dominantes, a qual não interessa um ensino de qualidade.

Assim no processo educacional brasileiro perpassam-se momentos que não fogem das conjunturas existentes. Porém o encontro do ensino e da pesquisa como o do ensino aprendizagem, deveria constar das práticas pedagógicas dos professores como fator primordial na sua atuação, haja vista que a educação, por maiores problemas que possa apresentar, é fundamentalmente ideológica.
Nessa perspectiva, a didática é a arte de ensinar e deve ser usada pelo professor para promover condições para superação do estado de exploração predominante na sociedade capitalista. Portanto, é importante salientar qual o papel da educação no processo de ensino e aprendizagem como no de ensino e pesquisa, que identifique alguns aspectos de relevância para melhorar e incentivar o aluno a uma reflexão teórica e crítica de sua atuação como co-autor de sua aprendizagem.



REFERENCIAS

CUNHA, Maria Isabel da. Relação ensino e pesquisa. In: VEIGA, Ilma, P. Alencastro (org). Didática: o ensino e suas relações. Campinas: Papirus, 1996.

LOPES, Antonia Osima. Relação de Interdependência Entre Ensino e Aprendizagem. In: VEIGA, Ilma, P. Alencastro (org.). Didática: o ensino e suas relações. Campinas: Papirus, 1996.

Leirinalva Alves de França

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião...